quinta-feira, agosto 09, 2018

IMAGINÁRiO #729

José de Matos-Cruz | 01 Julho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

METAMORFOSES
Autor versátil e fulgurante, ao estilizar as potencialidades gráficas / narrativas da banda desenhada, em que evoluem - pelo signo erótico - a aliciante insurreição ficcional ou uma perversa sofisticação estética, Milo Manara revelou em 1999, como argumentista e ilustrador, A Metamorfose de Lucius / La Métamorphose de Lucius, subvertendo-se como artista da líbido… Ironia, exibicionismo - através de peripécias / experiências excitantes, sob uma vertigem obsessiva / exuberante - pontuam ou transgridem, além dos preconceitos e das convenções, este universo múltiplo, transfigurado, cujo herói - descendente de Plutarco - se dirige da Macedónia à Tessália, acabando por consumar todas as ambições luxuriantes, todos os impulsos fantasistas. Assim corporizando fábulas incríveis de mágicos e de feiticeiras, de horríveis mutações - mesmo que, depois de inúmeras peripécias e temáticas, tudo se dissolva nas ilusões mais efémeras e sumptuosas. Eis, pois, reincidências sediciosas ou dissolutas, entre visões de uma saga interminável - que se transferem, perturbantes, ao próprio olhar do leitor.
IMAG.3-13-52-64-132-140-147-221-305-365-501-548-590

CALENDÁRiO

13MAR-17JUN2018 - Em Lisboa, Casual Lounge Caffé apresenta Schiappa 2018 - exposição de pintura de Pedro Schiappa.

21MAR-16SET2018 - Em Lisboa, Museu Colecção Berardo expõe Linha, Forma e Cor - Obras da Colecção Berardo, sendo curadores Rita Lougares e Jorge André Catarino.

05MAI-23JUN2018 - Em Lisboa, Galeria 111 apresenta Azimute - exposição de pintura, vídeo e objectos de Pedro Vaz, sendo curador Sérgio Fazenda Rodrigues.

1930-14MAI2018 - Thomas Kennerly Wolfe, aliás Tom Wolfe: Escritor e jornalista americano, ficcionista e ensaísta, autor de A Fogueira das Vaidades (1987) - «Como campeão do esplendor estilístico, não tem rival no mundo ocidental» (Joseph Epstein). IMAG.120

18MAI-09SET2018 - Em Lisboa, Culturgest apresenta Michael Biberstein [1948-2013]: X - Uma Reprospectiva - exposição de pintura, sendo curador Delfim Sardo. IMAG.606

19MAI-17JUN2018 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta, no ciclo OitoXOito, Reflexão - exposição de figurações e geometrias em composições abstractas de Jéssica Rosa.

26MAI-11NOV2018 - Em Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo apresenta Conflito e Unidade - exposição de João Ferro Martins, Mafalda Santos e Susana Gaudêncio, sendo curadoras Sandra Vieira Jürgens e Paula Loura Batista, e dando continuidade ao ciclo de arte contemporânea Cosmo/Política. IMAG.706

COMENTÁRiO

Lucram com a desordem os governos desacreditados, que, vivendo apenas de viver, tendo violado todas as leis, faltado a todos os deveres, perdido toda a estima pública, necessitam de romancear revoluções, que recomendem o zelo da administração pela estabilidade da paz, autorizem a perpetração de insídias contra o direito desarmado, e encubram, na confusão das ruas, a mão da polícia, que passa, executando os seus cálculos de eliminação homicida.
Ruy Barbosa
- Obras Completas
PARLATÓRiO

Como etnólogo, só posso constatar que o mundo contemporâneo perdeu a fé nos seus próprios valores. Sei que este não é, aliás, o nosso problema principal, mas todos sabemos que, no fim de contas, nenhuma civilização se pode desenvolver, se não possui valores aos quais se agarrar profundamente. Acredito, por sinal, que nenhuma civilização possa, sequer, manter-se na situação em que a nossa se encontra.
Claude Lévi-Strauss
(2003)
VISTORiA

Quem a Tem…

Não hei-de morrer sem saber
Qual a cor da liberdade.
Eu não posso senão ser
Desta terra em que nasci.

Embora ao mundo pertença
E sempre a verdade vença,
Qual será ser livre aqui,
Não hei-de morrer sem saber.
Trocaram tudo em maldade,
É quase um crime viver.

Mas embora escondam tudo
E me queiram cego e mudo,
Não hei-de morrer sem saber
Qual a cor da liberdade.
Jorge de Sena

MEMÓRiA

1908-01NOV2009 - Claude Lévi-Strauss: Antropólogo e filósofo francês - «A humanidade está constantemente às voltas com dois processos contraditórios: um tende a criar um sistema unificado, enquanto o outro visa manter ou restaurar a diversificação.» (Race et Histoire - 1952). IMAG.278-684

02NOV1919-1978 - Jorge Cândido de Sena, aliás Jorge de Sena: Escritor português, poeta e ficcionista, dramaturgo e ensaísta, professor universitário - «Nada me prende ou liga a uma baixeza tanta / quanto esse arroto de passadas glórias. / Amigos meus mais caros tenho nela, / saudosamente nela, mas amigos são / por serem meus amigos, e mais nada.» (A Portugal - excerto)  
IMAG.60-67-87-112-181-202-249-264-268-305-313-329-332-358-392-486-489-495-502-588-599-661-669-671-682-699-707-726

1922-02NOV2009 - José Luis López Vázquez de la Torre, aliás José Luís López Vázquez: Actor espanhol do cinema, do teatro e da televisão - «A sua filmografia pertence ao puro património espanhol, foi um dos maiores tragicómicos do nosso cinema.» (El País - 2009). IMAG.277-362

1933-03NOV2009 - Sheldon Dorf: Artista e coleccionador americano de banda desenhada, fundador do Comic-Con - «Era uma pessoa de uma generosidade extrema, inteiramente dedicado à fruição e à divulgação da arte dos quadradinhos, tendo-se esforçado por reunir os leitores e os criadores» (J.M. Mike Towry). IMAG.277-448

05NOV1849-1923 - Ruy Barbosa de Oliveira, aliás Ruy Barbosa: Escritor, filólogo, jurista e político brasileiro - «De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.» (Discurso no Senado - 1914). IMAG.249-409

1903-05NOV1989 - Vladimir Samoylovych Horowitz, aliás Vladimir Horowitz: Pianista de origem ucraniana (ao tempo do Império Russo), naturalizado americano (1944) - «Há três espécies de pianistas: os pianistas judeus, os pianistas homossexuais e os maus pianistas». IMAG.661

06NOV1919-2004 - Sophia de Mello Breyner Andresen: Poetisa portuguesa, distinguida com o Prémio Camões (1999) - «Chamo-Te porque tudo está ainda no princípio / E suportar é o tempo mais comprido. // Peço-Te que venhas e me dês a liberdade, / Que um só de Teus olhares me purifique e acabe. // Há muitas coisas que não quero ver. // Peço-Te que sejas o presente. / Peço-Te que inundes tudo. / E que o Teu reino antes do tempo venha / E se derrame sobre a Terra / Em Primavera feroz precipitado.» (Princípio).  
IMAG.2-18-112-168-213-249-268-302-390-449-473-511-536-542-570-581-640-684

1857-06NOV1929 - Columbano Augusto Bordalo Pinheiro, aliás Columbano Bordallo Pinheiro: Pintor português - Era «misantropo, fechado em si, dado a análises exaustivas, a dissecações cruéis, teve apenas um grande amor - a pintura» (Diogo de Macedo). IMAG.155-197-301-482-635-695

1925-06NOV1999 - Luís José Teixeira da Fonseca, aliás Teixeira da Fonseca: Cineasta português, realizador e actor - «Inspiro-me numa sátira construtiva, de quem luta por uma vida melhor». IMAG.56-227-457

COMENTÁRiO

Columbano - Desenhar Para a Pintura
A prática do desenho para Columbano não constitui, de modo geral, prática autónoma. Pelo contrário, ela reafirma Columbano como pintor, como um artista que recorreu ao desenho quase exclusivamente como campo de ensaio para estudos de composição, de orquestração de luzes, de caracterização de pormenores anatómicos e de atitudes individuais de figuras que integram composições maiores. Se os desenhos registam as variações estilísticas ao longo deste período, muitas vezes acompanhando as transformações pictóricas, será na mudança de um género para outro que estas diferenças se tornam evidentes: do intimismo das cenas de interior pequeno-burguesas, que por vezes impregna os retratos, para o carácter mundano que perpassa em alguns estudos de figuras femininas; ou da vocação realista dos retratos, que oscilam entre a fidelidade naturalista e a vontade de caracterização psicológica, para o sentido dramático e teatral das pinturas de história. A este ritmo, assistimos a abordagens plásticas diferentes, que adoptam a espontaneidade da linha como condutora da composição ou a substituem pelo valor estrutural da luz, num tratamento apoiado na mancha ou em marcações de claro-escuro, até chegar à linearidade livre e solta dos estudos de composição para os grandes relatos de pintura de história e ciclos decorativos, cuja complexidade explica a abundância de estudos, com destaque para o tema camoniano, no geral, e para as pinturas decorativas do Museu Militar, em particular.
María Jesús Ávila

BREVIÁRiO

Dom Quixote edita Memórias Secretas de Mário Cláudio; a partir das personagens de banda desenhada Príncipe Valente, Bianca Castafiore (em Tintin) e Corto Maltese. IMAG.51-220-520-522-541-591-600-723-725
 

sexta-feira, agosto 03, 2018

IMAGINÁRiO #728

José de Matos-Cruz | 24 Junho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004


PRONTUÁRiO

AMEAÇAS
Baseado numa investigação dos jornalistas Andrew & Leslie Cockburn, sobre o potencial nuclear mal parado, após a desagregação da União Soviética, eis o alerta latente e actual de O Pacificador (1997), com realização de Mimi Leder. A partir desta inquietante inspiração, o argumentista Michael Schiffer implicou, como principais responsáveis: a ameaça da mafia eslava, impune e sem escrúpulos; e um sector militar, insatisfeito pela perda de poder e privilégios. Assim evoluem as máscaras do terrorismo - com intuitos mercenários, sem motivações além do lucro; por fanatismo, visando objectivos políticos; ou mobilizando gente sem ideais nem ambições, instigada pelos demónios íntimos… Algures na Rússia, é a catástrofe, ao colidir um comboio de passageiros com outro que transporta armas nucleares, para serem desactivadas segundo o tratado START. Tanto a Drª Julia Kelly, cientista e conselheira da Casa Branca; como o tenente-coronel Thomas Devoe, da espionagem das Forças Armadas, suspeitam que não foi mero acidente. Parte da perigosa carga desapareceu, e ambos unem esforços em agitada missão pela Europa de Leste. Afinal, as pistas levam-nos de volta à América: nas Nações Unidas, Nova Iorque, decorre uma conferência de paz. Mas, poderão evitar o inferno dum holocausto para o mundo livre? Pelo menos, esta produção original da DreamWorks, em acção espectacular, teve o mérito de tranquilizar os meios financeiros - ao atingir o topo do box-office com receitas de treze milhões de dólares, só nos primeiros dias.

CALENDÁRiO

06ABR-26MAI2018 - Em Lisboa, Galeria Miguel Nabinho apresenta Freakquency - exposição de pintura de Pedro Casqueiro. IMAG.681

12ABR-19MAI2018 - Em Lisboa, Galeria Pedro Cera apresenta Echo Chamber - exposição de escultura e mixed media de Mariele Neudecker (Alemanha).

19ABR-19MAI2018 - Em Lisboa, Galeria Carlos Carvalho apresenta Houve Um Tempo Em Que Estávamos Todos Vivos - exposição de vídeo de Daniel Blaufuks. IMAG.475-546-583-651

1931-07MAI2018 - Ermanno Olmi: Cineasta italiano, realizador de A Árvore dos Tamancos / L'Albero degli Zoccoli (1978) - «O que eu procuro exprimir nos filmes, deriva e pertence a esse mundo, o mundo que conheci pessoalmente: a indústria moderna e a civilização que esta cria» (2012).

10MAI2018 - Midas Filmes estreia Luz Obscura (2017) de Susana de Sousa Dias; documentário sobre os arquivos do Estado Novo. IMAG.96-357

11MAI-30SET2018 - Em Lisboa, Pavilhão Branco da Galeria Municipal apresenta Inner 8000er - exposição de pintura de João Marçal, sendo curadores Sara Antónia Matos e Pedro Faro. IMAG.543

17MAI-01JUL2018 - Centro de Exposições de Odivelas apresenta Viagem Pelas Minhas Estórias - exposição de pintura de Patrícia Mouzinho.

19MAI-30JUN2018 - Em Colares/Sintra, Galeria de Arte Flores do Cabo apresenta De Que Cor Será o Sentir? - exposição de pintura de Carlos Pragana (Brasil).

ANUÁRiO

1929-2013 - Júlio Roberto: Filósofo português, poeta e ecologista, fundador / editor do ITAU - «Transformámos tudo, progredimos, inventámos, criámos coisas que tu nem imaginas. Olha, substituímos o vento e o sol por uma coisa que se chama energia nuclear.» (Poema Ecológico - excerto). IMAG.466

MEMÓRiA

24OUT1939-2018 - Madalena Lucília Iglésias do Vale de Oliveira Portugal, aliás Madalena Iglésias: Cantora portuguesa, vencedora do Festival RTP da Canção de 1966, com Ele e Ela - «[Percorri] um caminho com entusiasmo, alegria, êxitos e algumas nuvens» (Meu Nome É Madalena Iglésias - 2008). IMAG.488-711

28OUT1909-1992 - Francis Bacon: Artista plástico anglo-irlandês - «Toda a pintura é um acidente. Porém, também não é um acidente, pois devemos seleccionar qual a parte do acidente que preferiremos preservar». IMAG.368

28OUT1919-2004 - Natércia Freire: Escritora portuguesa, poetisa e ficcionista - «Que música de prados e de fontes! / Que riso de águas vem para nos levar? / Meu rosto, no teu rosto de horizontes, /Meu corpo, no teu corpo, a flutuar.». IMAG.21

1907-28OUT1949 - José Carlos de Queiroz Nunes Ribeiro, aliás Carlos Queiroz: Poeta e ensaísta português - «Poesia! nunca mais venhas assim: / Pé ante pé, covardemente oculta / Nas ideias mais simples, / Nos mais ingénuos sentimentos: / Um sorriso, um olhar, uma lembrança… / – Não sejas como o Amor!» (Apelo à Poesia). IMAG.167-307-491-605-639

31OUT1929-2016 - Carlo Pedersoli, aliás Bud Spencer: Nadador e actor italiano, intérprete de Juntos São Dinamite (1974) com Mario Girotti / Terence Hill - «Está ligado à imagem da família reunida, numa época sem preocupações que eram os anos 1980» (Stefano Savio). IMAG.-628

VISTORiA

Meu Filho

Quantas vezes desejo falar-te
e dizer-te tanta coisa que anda comigo.
Quantas vezes quero fazer-te uma festa
e dar-te um beijo dizendo:
Meu filho como te amo!
Porém tu cresceste.
Voaste para o teu mundo
o teu mundo de jovem.
Às vezes solitário, outras perdido,
outras, alegre e distante.
E entre nós vai crescendo
essa separação.
Vamos ficando na aparência
um pouco estranhos,
divididos pelas idades
e pelos mundos de cada um.

Ah meu filho!
Porquê esta vergonha, este pudor
de te abraçar e de acarinhar,
de te dizer: Olá meu amor!
Porquê este medo que
nos deixa assim,
com o coração cheio de
ternura,
mas os gestos parados,
o olhar vazio,
as palavras todas por dizer.
Vamos mudar isto? Queres?
Então abraça-me,
um abraço forte como dois
amigos,
mais que irmãos.
Penetra no meu mundo e
eu no teu.
Demos as nossas mãos
e caminhemos juntos
na procura que tu queres
e eu também.
E vamos construir um
mundo
em que não há autoridade
nem distância
mas doçura, compreensão
e amor.
E assim, como dois jovens
talvez possamos entender
a vida
e sermos companheiros
na alegria.
E quem sabe, descobrirmo-nos
um ao outro.

Um beijo
Júlio Roberto

Erótica

A noite descia
como um cortinado
sobre a erva fria
do campo orvalhado.

E eu (fauno em vertigem)
a rondar em torno
do teu corpo virgem,
sonolento e morno,

pensava no lasso
tombar do desejo;
em breve, o cansaço
do último beijo…

E no modo como
sentir menos fácil
o maduro pomo
do teu corpo grácil:

ou sem lhe tocar
– de tanto o querer! –
ficar a olhar,
até o esquecer,

ou como por entre
reflexos do lago,
roçar-lhe no ventre
luarento afago;

perpassando os meus
nos teus lábios húmidos,
meu peito nos teus
brancos
seios
túmidos…
Carlos Queiroz

BREVIÁRiO

Fundação Francisco Manuel dos Santos edita Cinema e História - Aventuras Narrativas de João Lopes.  
IMAG.191-225-544-567-571-576-578-581-587-611-645-649-656-658-662-672-687-724

Warner edita em CD e DVD, Cellist of the Century: The Complete Warner Recordings por Mstislav Rostropovich (1927-2007). IMAG.147


EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 10

O assistente, Constantino Fraga ousou, chegando-se:
- Mestre, está tudo a postos...
- Por isso mesmo… Acção! condescendeu, fascinado, Arthur Lopes de Barros, recuperando aprumo e primazia.
Continua

quarta-feira, agosto 01, 2018

IMAGINÁRiO #727

José de Matos-Cruz | 16 Junho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

NAVEGANTES
Sob chancela das Edições Época de Ouro, A Arte de Bem Navegar - Navios Europeus do Século XIV ao Início do Século XVI, de Eduardo Teixeira Coelho (1919-2005), surgiu por ocasião do 5º Centenário da Descoberta do Brasil (Abril de 1500 - Abril de 2000), numa publicação monumental e minuciosa, privilegiando os barcos em que os Portugueses lograram vencer os mares e os seus monstros. A par com 62 magníficas estampas, pela ilustração científica, destaca-se numa sugestiva narração histórica: «Os marinheiros, que eram conhecidos ironicamente na Europa como “varredores de escolhos”, porque não perdiam de vista as costas, vão com Vasco da Gama lançar-se por meses no grande Oceano, com navios que “se fizeram os mais fortes que se pudessem”. Gaspar Correia diz deles: “marinheiros é gente baixa, e eram maus e soberbos”; mas era gente especializada no velame latino e redondo, como bem prova aquilo que fizeram». Ao grafismo harmonioso e inimitável, ao estilo dinâmico e gracioso, alusivos à expressão em quadradinhos, confere Eduardo Teixeira Coelho o sortilégio, a nostalgia e a modernidade que distinguem os criadores primordiais.
IMAG.28-31-41-43-85-117-129-132-209-328-372-568-578-607-617-689

CALENDÁRiO

20ABR-03JUN2018 - Em Braga, Museu da Imagem apresenta Northern - Corrida e Projectos Seleccionados Entre 2010-2017 - exposição de fotografia de Tatiana Plotnikova (Rússia).

1920-25ABR2018 - Michael Joseph Anderson Sr, aliás Michael Anderson: Cineasta inglês, realizador de A Volta ao Mundo Em 80 Dias / Around the World In 80 Days (1956), ou Fuga No Século XXIII / Logan’s Run (1976) - «Uma fantasia algo extravagante e bastante divertida» (Roger Ebert).

28ABR-02SET2018 - Em Coimbra, Centro de Artes Visuais apresenta Pure Emulsion - exposição de fotografia de José Luís Neto, sendo curador Sérgio Mah. IMAG.360-393-458-649

05MAI-28JUL2018 - Em Guimarães, Centro Cultural Vila Flor apresenta Non-Fiction - exposição de fotografia, vídeo e instalação de André Príncipe. IMAG.364-539

08MAI-30SET2018 - Em Cascais, Fundação D. Luís I apresenta, na Casa das Histórias Paula Rego, Contos Tradicionais e Contos de Fadas - exposição de pintura de Paula Rego, sendo curadoras Catarina Alfaro e Leonor Oliveira. 
 
IMAG.11-13-31-199-205-258-269-325-342-351-357-364-370-399-416-464-486-489-515-545-596-597-620-621-629-651-659-669-680-693-699
11MAI-30JUN2018 - Em Odivelas, Centro Cultural Malaposta apresenta Los Urbanos - exposição de ilustração de Inês Brito. 
 
PARLATÓRiO

Frédéric Chopin
Era um génio de enlevo universal. A sua música conquista as mais distintas audiências. Quando as primeiras notas de Chopin soam por entre o salão de concerto, há um feliz suspiro de reconhecimento. Todos os homens e mulheres do mundo conhecem a sua música… No entanto, não é uma música romântica, no sentido byroniano. Não conta histórias ou quadros pintados. É expressiva e pessoal, mas ainda assim uma arte pura. Mesmo nesta era atómica abstracta, onde a emoção não está na moda, Chopin perdura. A sua música é a linguagem universal da comunicação humana.
Arthur Rubinstein

A geração Beat era uma visão que o Jonh Clellon Holmes e eu, e também o Allen Ginsberg, mas de uma maneira ainda mais louca, tivemos no final dos anos ‘40. Tratava-se de uma geração de tipos a par de tudo, brilhantes e loucos, que de repente se ergueram para percorrer a América. Eram sérios, curiosos, vagabundos e faziam paragens em todos os pontos do caminho, em farrapos, tranquilos, de uma hedionda beleza latente na sua graça e originalidade.
Jack Kerouac

MEMÓRiA

1810-17OUT1849 - Fryderyk Franciszec, aliás Frédéric Chopin: Pianista polaco radicado em França, compositor do período romântico - «A simplicidade é a conquista final. Depois de ter tocado uma quantidade de notas e mais notas, é a simplicidade que emerge como recompensa coroada da arte».  IMAG.92-191-203-247-265-298-325-375-380-412-462-572-595-640

17OUT1929-2016 - Mário Wilson: Atleta português nascido em Moçambique, jogador e treinador de futebol - «Era reconhecidamente um cavalheiro que, como atleta e treinador, passou por inúmeros clubes, deixando sempre a sua marca» (Bruno de Carvalho). IMAG.644

1705-18OUT1739 - António José da Silva, o Judeu: Dramaturgo brasileiro - «Que delito fiz eu para que sinta / o peso desta aspérrima cadeia / nos horrores de um cárcere penoso / em cuja triste, lôbrega morada / habita a confusão e o susto mora? / Mas se acaso, tirana, estrela ímpia, / é culpa o não ter culpa, eu culpa tenho. / Mas se a culpa que tenho não é culpa, / para que me usurpais com impiedade / o crédito, a esposa e a liberdade?».  
IMAG.34-66-183-247-443-514

1838-19OUT1889 - Luís Filipe Maria Fernando Pedro de Alcântara António Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis João Augusto Júlio Valfando de Bragança, El-Rei D. Luís I, o Popular: «Beijo a mão a El-Rei. Estou a seis dias do mar Índico, em vésperas de concluir a minha travessia de África, feita na costa oeste. Lutei com a fome e a sede…» (Serpa Pinto - 1879). 
 IMAG.174-200-247-329-368-531-593-680

19OUT1899-1974 - Miguel Ángel Asturias Rosales, aliás Miguel Ángel Asturias: Escritor e diplomata guatemalteco, distinguido com o Prémio Nobel da Literatura (1967) - «Os espelhos são como a consciência… Vemo-nos neles como somos, ou como não somos, pois, quem se contempla no profundo de um espelho, tenta dissimular as suas fealdades e enfeitá-las para parecer como lhe apetece».

1835-19OUT1909 - Cesare Lombroso: Cientista e criminologista italiano - «Nas pessoas sãs, é livre a vontade, como diz a metafísica, mas os actos são determinados por motivos que contrastam com o bem-estar social. Quando surgem, são mais ou menos condicionados por outros motivos, como o prazer do horror, o temor da sanção, da infâmia, da Igreja, ou da hereditariedade, ou de prudentes hábitos impostos por uma ginástica mental continuada, motivos que deixam de valer nos dementes morais ou nos delinquentes natos, que logo caem na reincidência.» (O Homem Delinquente). IMAG.247

1900-19OUT1999 - Natacha Tcherniak, aliás Nathalie Sarraute: Escritora francesa de origem russa - «Em qualquer obra literária, a poesia é o que faz aparecer o invisível… Nunca percebi a razão por que escrevo».

1922-21OUT1969 - Jean-Louis Lebris de Kerouac, aliás Jack Kerouac: Escritor americano - «Um dia hei de renascer numa grande cidade de outro sistema planetário, no passado ou no futuro, onde uma única montanha de cinco quilómetros de altitude se recorta no céu azul - com toda a compaixão que sinto dentro de mim, a única coisa de que vou precisar é da sabedoria da terra». IMAG.126-141-212-217-247-338-362-404-469-484

22OUT1919-2013 - Doris May Tayler, aliás Doris Lessing: Escritora britânica, autora de O Caderno Dourado, distinguida com o Prémio Nobel da Literatura (2007) - «Eis o que é aprender: de repente, apercebemo-nos de que, algo que soubemos durante toda a vida, adquire para nós um novo entendimento».
IMAG.166-168-228-490

22OUT1929-2012 - Marcel Hanoun: Realizador francês, teórico do cinema experimental, director de Uma História Simples / Une Simple Histoire (1959) - «A criação - na perspectiva do trabalho - é, em si mesma, um grito de não obediência» (1997). IMAG.428

COMENTÁRiO

Jack Kerouac
Começámos a experimentar benzedrina e anestésicos. Eu pensava que não poderia escrever, porque a minha mente ficava confusa, mas Jack sentia que podia escrever romances usando isso. E acho que alguns dos seus romances do início dos anos ‘50 foram escritos sob efeito desses e de outros tóxicos. Praticamente, Jack sentava-se e dactilografava por várias semanas, fazia correcções, escrevia continuamente cinco, seis ou sete horas por dia, às vezes até o dia inteiro.
Allen Ginsberg

VISTORiA

Uma coisa é sentar-me aqui, colocando as palavras num papel e passando, pelo menos, cinquenta ideias para cada uma dessas palavras… No entanto, de que serve escrevê-las, se só consigo exprimir uma ideia, e todas as outras ficam diluídas?
Doris Lessing
- Roteiro Para Um Passeio ao Inferno (excerto)

BREVIÁRiO

Casa das Letras edita Só Duas Coisas Que, Entre Tantas, Me Afligiram de Alice Vieira. IMAG.16-38-92-170-495-572-603

Harmonia Mundi edita em CD, Antonin Dvorák [1841-1904]: Piano Trios Op. 65 & 90 por Trio Wanderer.  
IMAG.199-201-219-338-368-465-499-530-538-552-718

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 9

Um mundo ambíguo, de trevas e fantasmas, que aliás fosse possível transfigurar, estilizado pela cintilação dos holofotes.
Continua

domingo, julho 22, 2018

IMAGINÁRiO #726

José de Matos-Cruz | 08 Junho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

(DES)ENCONTROS
Vida Interrompida (1999) parte de uma ocorrência verdadeira, e expressa numa obra literária; em abordagem, está um período determinante na evolução da realidade americana, que remonta aos finais da década de ‘60. Outro elemento decisivo é a reunião de Winona Ryder - assumindo-se produtora executiva e protagonista, em rigor extremo; com Angelina Jolie - que irrompe pela trama dramática como um furacão perturbante e selvático, justamente galardoada com o Óscar para Melhor Actriz Secundária. Ainda em mérito, sobressai a direcção de James Mangold. O testemunho de Susanna Keyson, Girl, Interrupted foi publicado já em 1993, vinte e cinco anos depois das peripécias em causa, tendo fascinado Winona Ryder. O que está em causa é a natureza dos valores comuns - perante o indivíduo e para a sociedade. Esta defende-se - eliminando a rebeldia, controlando a insegurança. Susanna é uma jovem talentosa, mas equívoca e intranquila. Uma tentativa não assumida de suicídio, com overdose de aspirinas, leva-a de livre vontade ao Claymoore Hospital, uma instituição psiquiátrica para raparigas afectadas. O que ali encontra não augura, porém, uma recuperação. Sobretudo, a nefasta influência de Lisa - indomável mas dominada, prostrada mas perigosa. Os seus desafios e provocações são apelos à solidariedade, a uma desesperada cumplicidade - numa vivência violenta, que resvala entre a lucidez e a insanidade… IMAG.84-475

CALENDÁRiO

03MAR-20MAI2018 - Em Gondomar, Lugar do Desenho apresenta Uns Dyas Entre Nós - exposição de desenho (1979-2000) de Júlio Resende (1917-2011). IMAG.132-168-376-393-548-553-604-632

23MAR-30JUN2018 - No Porto, Faculdade de Belas Artes apresenta Anotações Sonoras: Espaço, Pausa, Repetição - instalação de Pedro Tudela e Miguel Carvalhais.

10-30ABR2018 - Em Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida apresenta Ditados e Situações - exposição de pintura de Luís Artur Cardoso Pereira.

03MAI2018 - NOS Audiovisuais estreia Ruth (2018) de António Pinhão Botelho; com Igor Regalla e Miguel Nunes.

03MAI2018 - O Som e a Fúria coproduziu, e estreia Zama (2017) de Lucrecia Martel; com Daniel Giménez Cacho e Lola Dueñas.

03MAI-15JUL2018 - Em Lisboa, Instituto Cultural Romeno apresenta, na Galeria, Delírio Controlado - exposição de desenhos originais, litografias e ilustrações de Tudor Banus.

VISTORiA

Soneto

Vai a fresca manhã alvorecendo,
vão os bosques as aves acordando,
vai-se o Sol mansamente levantando
e o mundo à vista dele renascendo.

Veio a noite os objectos desfazendo
e nas sombras foi todos sepultando;
eu, desperta, o meu fado lamentando
fui co’a ausência da luz esmorecendo.

Neste espaço, em que dorme a Natureza
porque vigio assim tão cruelmente?
Porque me abafa o peso da tristeza?

Ah, que as mágoas que sofre o descontente,
as mais delas são faltas de firmeza.
Torna a alentar-te, ó Sol resplandecente!
Alcipe
(D. Leonor de Almeida Portugal Lorena e Lencastre)

VISTORiA

Por trás do que lembro,
ouvi de uma terra desertada,
vaziada, não vazia,
mais que seca, calcinada.
De onde tudo fugia,
onde só pedra é que ficava,
pedras e poucos homens
com raízes de pedra, ou de cabra.
Lá o céu perdia as nuvens,
derradeiras de suas aves;
as árvores, a sombra,
que nelas já não pousava.
Tudo o que não fugia,
gaviões, urubus, plantas bravas,
a terra devastada
ainda mais fundo devastava.
João Cabral de Melo Neto
- Morte e Vida Severina (excerto)

GALERiA

No centenário do nascimento de Júlio Resende (1917-2011), o Lugar do Desenho – em Gondomar, onde faleceu – celebra uma faceta peculiar do artista, através de uma exposição que apresenta desenhos de circunstância, de natureza humorística, datados de 1979 a 2000.
Realizados, na sua maioria, a esferográfica, estes desenhos de pequena dimensão evocam o registo directo de instantes que o artista viveu, descontraidamente, como um viajante em férias que apura a sua observação e aguça a sua predisposição para olhar os episódios em volta com um sentido de humor contagiante.
Consciente da dimensão particular que ocupam na sua obra, o autor assinou muitos destes desenhos como Dyas, apelido que também consta do seu nome, aqui alterado pela letra «y». Para lá de instituir uma espécie de heterónimo, esta assinatura tem a vantagem de remeter para um quotidiano em que todos os dias são dignos de registo.
Umas vezes subtil e complacente, outras vezes crítico, sempre arguto, Resende dá-nos um retrato perspicaz da espécie humana nas situações ora caricatas, ora ridículas e anedóticas em que todos nos descobrimos num ou noutro momento da nossa existência. Apanhar esse momento, arquivá-lo mediante o desenho e deixar umas quantas anotações e comentários manuscritos para orientar a nossa observação foi o que fez Júlio Resende.
Esta terá sido uma forma de dar continuidade ao espírito juvenil que o fez partir para o desenho humorístico na imprensa e para as tiras de banda desenhada a que se dedicou nos tempos iniciais da sua vocação artística.

MEMÓRiA

08OUT1929-2013 - Manuel García Ferré: Artista gráfico, autor de cinema de animação e de banda desenhada, nascido em Espanha e radicado na Argentina, criador de Hijitus e do pinguim Petete - «As crianças têm as mesmas motivações de sempre: a ambição, o desejo, a vontade de possuir, de coleccionar… A aventura, a imaginação, as personagens boas e más, a superação, são estímulos que perduram e se mantêm actuais» (2012). IMAG.458

1920-09OUT1999 - João Cabral de Melo Neto: Poeta, ficcionista e diplomata brasileiro - «O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome.» (Os Três Mal-Amados - excerto). IMAG.583

10OUT1599- 1676 - Étienne Moulinié: Compositor francês - «Dá-se com o seu nome de forma casual em representações do alvor do barroco francês… Dir-se-ia até possuir a vagueza própria dos períodos de transição…» (João Santos). IMAG.591

1750-11OUT1839 - D. Leonor de Almeida Portugal Lorena e Lencastre: Condessa de Oeynhausen-Gravenburg, Condessa de Assumar e Marquesa de Alorna, poetisa de nome literário Alcipe - «Eu cantarei um dia da tristeza / por uns termos tão ternos e saudosos, / que deixem aos alegres invejosos / de chorarem o mal que lhes não pesa.». IMAG.246-296

BREVIÁRiO

Livros do Brasil edita Sinais de Fogo de Jorge de Sena (1919-1978).
IMAG.60-67-87-112-181-202-249-264-268-305-313-329-332-358-392-486-489-495-502-588-599-661-669-671-682-699-707

Sextante edita Vozes Dentro de Mim de Carmen Dolores.  
IMAG.158-162-287-458

Guerra & Paz edita Lisboa Em Camisa de Gervásio Lobato (1850-1895).  
IMAG.133-276

Universal edita em CD, sob chancela Decca, Ludwig van Beethoven [1770-1827]: Symphony 1; Piano Concerto 1 por Martha Argerich, com Mito Chamber Orchestra, sob a direcção de Seiji Ozawa.
IMAG.134-163-202-204-210-228-229-236-237-239-255-268-285-298-303-323-360-375-384-409-430-431-432-436-442-445-452-458-481-502-529-581-604-605-635-647-666-667-681-707-724

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 9

Bem no fundo, Lopes de Barros já não tinha ilusões – sobre Ulisses Galhardo. Era um homem sem filiação, possidónio, podendo embora arrebatar-se em dignidade e coragem – às luzes da ribalta.
- Sidónio… Sim, foi isso… – decifrou enfim Lopes de Barros, entre dentes, mas sem abrir a boca. Ele, que sabia ler o movimento dos lábios, ficara a matutar no que Galhardo teria dito a Kramensky. Não obstante, continuava a não perceber o alcance do que se passava à sua volta.
Continua