domingo, julho 22, 2018

IMAGINÁRiO #726

José de Matos-Cruz | 08 Junho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

(DES)ENCONTROS
Vida Interrompida (1999) parte de uma ocorrência verdadeira, e expressa numa obra literária; em abordagem, está um período determinante na evolução da realidade americana, que remonta aos finais da década de ‘60. Outro elemento decisivo é a reunião de Winona Ryder - assumindo-se produtora executiva e protagonista, em rigor extremo; com Angelina Jolie - que irrompe pela trama dramática como um furacão perturbante e selvático, justamente galardoada com o Óscar para Melhor Actriz Secundária. Ainda em mérito, sobressai a direcção de James Mangold. O testemunho de Susanna Keyson, Girl, Interrupted foi publicado já em 1993, vinte e cinco anos depois das peripécias em causa, tendo fascinado Winona Ryder. O que está em causa é a natureza dos valores comuns - perante o indivíduo e para a sociedade. Esta defende-se - eliminando a rebeldia, controlando a insegurança. Susanna é uma jovem talentosa, mas equívoca e intranquila. Uma tentativa não assumida de suicídio, com overdose de aspirinas, leva-a de livre vontade ao Claymoore Hospital, uma instituição psiquiátrica para raparigas afectadas. O que ali encontra não augura, porém, uma recuperação. Sobretudo, a nefasta influência de Lisa - indomável mas dominada, prostrada mas perigosa. Os seus desafios e provocações são apelos à solidariedade, a uma desesperada cumplicidade - numa vivência violenta, que resvala entre a lucidez e a insanidade… IMAG.84-475

CALENDÁRiO

03MAR-20MAI2018 - Em Gondomar, Lugar do Desenho apresenta Uns Dyas Entre Nós - exposição de desenho (1979-2000) de Júlio Resende (1917-2011). IMAG.132-168-376-393-548-553-604-632

23MAR-30JUN2018 - No Porto, Faculdade de Belas Artes apresenta Anotações Sonoras: Espaço, Pausa, Repetição - instalação de Pedro Tudela e Miguel Carvalhais.

10-30ABR2018 - Em Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida apresenta Ditados e Situações - exposição de pintura de Luís Artur Cardoso Pereira.

03MAI2018 - NOS Audiovisuais estreia Ruth (2018) de António Pinhão Botelho; com Igor Regalla e Miguel Nunes.

03MAI2018 - O Som e a Fúria coproduziu, e estreia Zama (2017) de Lucrecia Martel; com Daniel Giménez Cacho e Lola Dueñas.

03MAI-15JUL2018 - Em Lisboa, Instituto Cultural Romeno apresenta, na Galeria, Delírio Controlado - exposição de desenhos originais, litografias e ilustrações de Tudor Banus.

VISTORiA

Soneto

Vai a fresca manhã alvorecendo,
vão os bosques as aves acordando,
vai-se o Sol mansamente levantando
e o mundo à vista dele renascendo.

Veio a noite os objectos desfazendo
e nas sombras foi todos sepultando;
eu, desperta, o meu fado lamentando
fui co’a ausência da luz esmorecendo.

Neste espaço, em que dorme a Natureza
porque vigio assim tão cruelmente?
Porque me abafa o peso da tristeza?

Ah, que as mágoas que sofre o descontente,
as mais delas são faltas de firmeza.
Torna a alentar-te, ó Sol resplandecente!
Alcipe
(D. Leonor de Almeida Portugal Lorena e Lencastre)

VISTORiA

Por trás do que lembro,
ouvi de uma terra desertada,
vaziada, não vazia,
mais que seca, calcinada.
De onde tudo fugia,
onde só pedra é que ficava,
pedras e poucos homens
com raízes de pedra, ou de cabra.
Lá o céu perdia as nuvens,
derradeiras de suas aves;
as árvores, a sombra,
que nelas já não pousava.
Tudo o que não fugia,
gaviões, urubus, plantas bravas,
a terra devastada
ainda mais fundo devastava.
João Cabral de Melo Neto
- Morte e Vida Severina (excerto)

GALERiA

No centenário do nascimento de Júlio Resende (1917-2011), o Lugar do Desenho – em Gondomar, onde faleceu – celebra uma faceta peculiar do artista, através de uma exposição que apresenta desenhos de circunstância, de natureza humorística, datados de 1979 a 2000.
Realizados, na sua maioria, a esferográfica, estes desenhos de pequena dimensão evocam o registo directo de instantes que o artista viveu, descontraidamente, como um viajante em férias que apura a sua observação e aguça a sua predisposição para olhar os episódios em volta com um sentido de humor contagiante.
Consciente da dimensão particular que ocupam na sua obra, o autor assinou muitos destes desenhos como Dyas, apelido que também consta do seu nome, aqui alterado pela letra «y». Para lá de instituir uma espécie de heterónimo, esta assinatura tem a vantagem de remeter para um quotidiano em que todos os dias são dignos de registo.
Umas vezes subtil e complacente, outras vezes crítico, sempre arguto, Resende dá-nos um retrato perspicaz da espécie humana nas situações ora caricatas, ora ridículas e anedóticas em que todos nos descobrimos num ou noutro momento da nossa existência. Apanhar esse momento, arquivá-lo mediante o desenho e deixar umas quantas anotações e comentários manuscritos para orientar a nossa observação foi o que fez Júlio Resende.
Esta terá sido uma forma de dar continuidade ao espírito juvenil que o fez partir para o desenho humorístico na imprensa e para as tiras de banda desenhada a que se dedicou nos tempos iniciais da sua vocação artística.

MEMÓRiA

08OUT1929-2013 - Manuel García Ferré: Artista gráfico, autor de cinema de animação e de banda desenhada, nascido em Espanha e radicado na Argentina, criador de Hijitus e do pinguim Petete - «As crianças têm as mesmas motivações de sempre: a ambição, o desejo, a vontade de possuir, de coleccionar… A aventura, a imaginação, as personagens boas e más, a superação, são estímulos que perduram e se mantêm actuais» (2012). IMAG.458

1920-09OUT1999 - João Cabral de Melo Neto: Poeta, ficcionista e diplomata brasileiro - «O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome.» (Os Três Mal-Amados - excerto). IMAG.583

10OUT1599- 1676 - Étienne Moulinié: Compositor francês - «Dá-se com o seu nome de forma casual em representações do alvor do barroco francês… Dir-se-ia até possuir a vagueza própria dos períodos de transição…» (João Santos). IMAG.591

1750-11OUT1839 - D. Leonor de Almeida Portugal Lorena e Lencastre: Condessa de Oeynhausen-Gravenburg, Condessa de Assumar e Marquesa de Alorna, poetisa de nome literário Alcipe - «Eu cantarei um dia da tristeza / por uns termos tão ternos e saudosos, / que deixem aos alegres invejosos / de chorarem o mal que lhes não pesa.». IMAG.246-296

BREVIÁRiO

Livros do Brasil edita Sinais de Fogo de Jorge de Sena (1919-1978).
IMAG.60-67-87-112-181-202-249-264-268-305-313-329-332-358-392-486-489-495-502-588-599-661-669-671-682-699-707

Sextante edita Vozes Dentro de Mim de Carmen Dolores.  
IMAG.158-162-287-458

Guerra & Paz edita Lisboa Em Camisa de Gervásio Lobato (1850-1895).  
IMAG.133-276

Universal edita em CD, sob chancela Decca, Ludwig van Beethoven [1770-1827]: Symphony 1; Piano Concerto 1 por Martha Argerich, com Mito Chamber Orchestra, sob a direcção de Seiji Ozawa.
IMAG.134-163-202-204-210-228-229-236-237-239-255-268-285-298-303-323-360-375-384-409-430-431-432-436-442-445-452-458-481-502-529-581-604-605-635-647-666-667-681-707-724

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 9

Bem no fundo, Lopes de Barros já não tinha ilusões – sobre Ulisses Galhardo. Era um homem sem filiação, possidónio, podendo embora arrebatar-se em dignidade e coragem – às luzes da ribalta.
- Sidónio… Sim, foi isso… – decifrou enfim Lopes de Barros, entre dentes, mas sem abrir a boca. Ele, que sabia ler o movimento dos lábios, ficara a matutar no que Galhardo teria dito a Kramensky. Não obstante, continuava a não perceber o alcance do que se passava à sua volta.
Continua

terça-feira, julho 17, 2018

IMAGINÁRiO-Extra: ORION #1

Com edição e coordenação de Renato Abreu, surgiu em Julho de 2018 o número 1 do fanzine Orion, acessível online na Yumpu, e tendo ainda uma edição de referência em papel, destinada aos colaboradores. São eles Bernardino Costantino, José de Matos-Cruz, Maria João Worm e Sofia Guilherme Lobo.

Entretanto, o número 0 de Orion, experimental, aparecido em Março de 2018, continua patente online na Yumpu, e podem ser estabelecidos contactos através de: Zorion@sapo.pt

IMAG.721-Extra

sexta-feira, julho 13, 2018

IMAGINÁRiO #725

José de Matos-Cruz | 01 Junho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

DEDICAÇÃO
De Agosto de 1949 a Janeiro de 1987, o nosso imaginário gráfico para adolescentes foi transfigurado pelo Mundo de Aventuras, uma emblemática publicação periódica sob chancela da Agência Portuguesa de Revistas. Entre fases de glória e lances de agonia, nas duas séries que se demarcaram pela revolução do 25 de Abril de 1974, em suas páginas forjaram-se heróis, evoluíram géneros, contaram-se histórias, nasceram e consagraram-se artistas nacionais ou estrangeiros. E várias gerações de jovens leitores se vincularam também, através do Mundo de Aventuras, num culto incondicional aos quadradinhos - como quem escreve estas linhas e que, nos últimos tempos de vivência editorial, teve o especial privilégio de tornar-se um dos seus colaboradores. Em tal longo desafio, assumido e partilhado, distinguiram-se os nomes dos responsáveis José de Oliveira Cosme - quase desde o início pioneiro; e Jorge Magalhães - a culminar a sua lendária vivência…
IMAG.15-56-226-296-440-713

CALENDÁRiO

05ABR-01JUL2018 - Em Lisboa, Galeria da Boavista apresenta My Favourite Things - exposição de pintura de João Gabriel, sendo curadores Sara Antónia Matos e Pedro Faro. IMAG.480

06ABR-30ABR2018 - Em Lisboa, Sociedade Nacional de Belas Artes apresenta Retrospectiva(s): Capítulo VII - exposição de pintura de Miguel d’Alte (1954-2007), sendo curadora Helena Mendes Pereira.

19ABR2018 - Midas Filmes estreia O Canto do Ossobó (2017) de Silas Tiny; documentário sobre São Tomé e Príncipe.

20ABR-10SET2018 - Em Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian expõe, na Galeria Principal, Pós-Pop. Fora do Lugar Comum - Desvios da Pop Em Portugal e Inglaterra - 1965-1975, sendo curadoras Ana Vasconcelos e Patrícia Rosas.

25ABR-16JUN2018 - Em Lisboa, Casa da Liberdade - Mário Cesariny apresenta Colaborativa.mente - exposição conjunta de Cruzeiro Seixas e Valter Hugo Mãe, sendo curador Carlos Cabral Nunes.  
IMAG.359-537-596-598-641-657-693

25ABR-11NOV2018 - Em Cascais, Arquivo Histórico Municipal - Casa Sommer expõe Associações Com História: 1886-1974.

26ABR-01JUN2018 - Em Lisboa, Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual apresenta Pied - exposição de artes plásticas de António Costa.

VISTORiA

Soneto
Que aziago que foi, que dia infausto
Aquele, em que vi tua formosura!
Em que cheio de amor e de ternura
Esta alma te ofertei em holocausto!

Teus olhos m’o fizeram ter por fausto,
Teus belos olhos cheios de doçura,
Mas logo me fez ver minha loucura
Teu peito de rigores nunca exausto.

Ai! e quão mesquinho é, quão desgraçado
Aquele, que como as mostras vão se engana
De um angélico rosto sossegado!

Pois mil vezes encobre a vista humana
Qual áspide cruel florido prado,
Um coração, uma alma desumana.
Cruz e Silva

MEMÓRiA

02OUT1909-1956 - Alexander Gillespie Raymond, aliás Alex Raymond: Artista americano de banda desenhada, criador e ilustrador de Flash Gordon (1934), Secret Agent X-9 (1934), Jungle Jim (1934) e Rip Kirby (1946) - «A natureza oferece-nos uma variedade infinita de modelos em que poderemos inspirar-nos para as personagens, mas todos os desenhadores têm preferência por uma determinada tipologia».
IMAG.27-70-141-221-234-310-449-471-577-599

02OUT1879-1955 - Wallace Stevens: Poeta americano - «Pela janela / Vi como os planetas convergiam / Assim como as próprias folhas / Girando ao vento. / Vi como a noite chegava, / Em grandes passadas, tal como a cor das pesadas cicutas. / Tive medo.». IMAG.103-211-245-629

03OUT1919-2012 - José Hermano Saraiva: Historiador, comunicador e político português - «Rir não é o melhor remédio. Rir não resolve nada. Rir é uma evasão… A solução é, sempre, pensar». IMAG.57-418

03OUT1929-2004 - Jacinto da Silva Ramos, aliás Jacinto Ramos: Actor de teatro, cinema e televisão, encenador e cenógrafo, a sua grande paixão estava no palco, tendo-se estreado na Sociedade Guilherme Cossoul, em 1945, interessando-se em «agitar politicamente as pessoas», e condecorado em 1994 com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.  
IMAG.17-245-489

03OUT1929-2013 - Bertram Stern, aliás Bert Stern: Fotógrafo americano, captou A Última Sessão / The Last Sitting de Marilyn Monroe (1962) para a revista Vogue - «Foi uma experiência única, tê-la num quarto de hotel durante três dias [seis meses antes de Marilyn falecer]. Nunca lhe disse para posar nua, mas uma coisa acabou por levar à outra». IMAG.360-471

1606-04OUT1669 - Harmenszoon Van Rijn, aliás Rembrandt: Pintor e gravador holandês - «Há apenas um mestre que poderemos escolher - a Natureza». IMAG.90-357-395-570-660-697

1935-04OUT2009 - Mercedes Sosa, aliás La Negra: Cantora argentina - «Ela viveu plenamente, como quis, e creio que não deixou nada por fazer, foi uma guerreira, não conheceu nenhum tipo de obstáculo ou de medo» (Fabián Matus). IMAG.271-522

1731-05OUT1799 - António Diniz da Cruz e Silva: Magistrado e poeta português, fundador da Arcádia Lusitana (1756), autor de O Hissope (1802).

1908-06OUT1989 - Ruth Elizabeth Davis, aliás Bette Davis: Actriz americana, distinguida com dois Oscars de Hollywood (1935 e 1938) - «Nunca lutei por nada de um modo traiçoeiro. Não lutei por nada, a não ser pelo bem dos filmes em que fui intérprete». IMAG.35-117-139-194-245-653

1920-06OUT1999 - Amália da Piedade Rodrigues, aliás Amália Rodrigues: Actriz, poetisa e fadista portuguesa - «Desde que existe a morte, imediatamente a vida é absurda. Sempre pensei assim».
IMAG.20-33-226-239-245-270-276-279-283-326-341-408-470-536-546-556-589-600-601-618-716

VISTORiA

A Lua
Olha a lua redondinha
Tão redonda coisa rara
Nem lhe descubro a covinha
De cada lado da cara

Anda cá ó lua cheia
De cantigas p’ra me dar
Nem o mundo faz ideia
Das cantigas ao luar

Lua no quarto minguante
Algum desgosto ela tem
Foi cantiga de estudante
Que cantou p’ra mais alguém

Lua nova não se vê
Anda de cara escondida
Não me perguntem porquê
Que é uma pergunta atrevida

Será que de amores cresce
Lua no quarto crescente
Ou será que a lua desce
P’ra estar mais perto da gente

Tantas cantigas de amor
Já terá ouvido a lua
Se as sabe todas de cor
Sabe a minha e sabe a tua

Na lua já ando eu
Mesmo sem ter ido à lua
Meu amor é todo meu
Meu amor sou toda tua

As luas são separadas
Quartos minguante crescente
Já tem quatro assoalhadas
Tem muito mais do que a gente
Amália Rodrigues

PARLATÓRiO

O que me dá uma satisfação do dever cumprido é o facto de ter lutado sempre para interessar as pessoas pelo teatro e pelo cinema, ou pela rádio e pela televisão, ou seja pelo espectáculo.
Jacinto Ramos

BREVIÁRiO

Valentim de Carvalho edita em CD, Fados 67 por Amália Rodrigues (1920-1999).

Quarto de Jade edita L’Orso Borotalco e la Bambola Nuda Italiana de Maria João Worm.
IMAG.289-301-325-359-386-409-416-430-444-451-553-591-594-613

Warner edita em CD, Cello Sonatas de Serguei Rachmaninov (1873-1943) e Serguei Prokofiev (1891-1953) por Nina Kotova, com o pianista Fabio Bidini.
IMAG.117-284-319-375-389-409-412-446-457-517-529-533-549-595-667-707-721

Minotauro edita A Alma Vagueante - 25 Autores Que Conheci de Mário Cláudio.
IMAG.51-220-520-522-541-591-600-723

sábado, julho 07, 2018

IMAGINÁRiO #724

José de Matos-Cruz | 24 Maio 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

CONTRASTES
Transposição do romance Requiem For a Dream de Hubert Selby - considerado um dos mais importantes escritores do pós-guerra, e autor do argumento com o realizador Darren Aronofsky -, A Vida Não É Um Sonho (2000) gira em volta de três habitantes de Coney Island: Sara, uma mulher madura, fanática de concursos de televisão, e que é escolhida para o seu favorito; o filho Harry, que costuma penhorar o aparelho de tv da mãe, para comprar heroína e curtir com um amigo; e a namorada de Harry, Marion, decepcionada pois não era apenas um apartamento e um psiquiatra o que pretendia dos pais ricos mas ausentes. Cada uma destas personagens vacilará, da euforia para o abismo: Sara obcecada por uma dieta, para aparecer esbelta na televisão; Harry, prosperando com Tyrone como traficante de drogas; Marion, ao naufragar no desencanto de um amor traído… A direcção de Aronofsky é subjugadora mas virtualista, na correspondência entre a denúncia crepuscular e os aliciantes da conversão imaginética. Um vínculo que, inerente à actual tendência, consolida a abordagem dramática de uma sociedade solitária, hostil, sem recursos ou alienada, resvalando para o pesadelo capitalista. IMAG.8

CALENDÁRiO

12ABR-16SET2018 - Em Lisboa, Palácio Pimenta - Museu da Cidade expõe Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitectura de Um Livro - sobre a obra (1959) de Victor Palla (1922-2006) e Costa Martins (1922-1996), sendo comissária Rita Palla Aragão. IMAG.92-226-358-560-670

1932-14ABR2018 - Jan Tomáš Forman, aliás Milos Forman: Cineasta de origem checa, naturalizado americano (1977), realizador de Voando Sobre Um Ninho de Cucos (1975) ou Amadeus (1984) - «Foi um criador capaz de conservar a energia dos seus trabalhos iniciais no tão peculiar contexto de Hollywood, preservando mesmo um desejo de realismo cuja pertinência a passagem dos anos reforçou» (João Lopes). IMAG.36-532

20SET1929-15ABR2018 - Vittorio Taviani: Cineasta italiano, em dupla com o irmão, Paolo Taviani, realizadores de Pai Patrão (1977) ou César Deve Morrer (2012) - «Narraram a história, a realidade e as contradições do país desde os anos ‘60» (La Reppublica).

20ABR-17JUN2018 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta Birmânia: Momentos - exposição de fotografia de Lorie Karnath (EUA). 
 
ANTIQUÁRiO

30SET1929 - Em Londres, a BBC inaugura as suas emissões regulares de televisão. Significando visão à distância, e permitindo apresentar imagens acompanhadas de som, a primeira e remota versão do invento data do Século XIX, sendo denominada fototelegrafia. Em 1923, o escocês John Logie Baird contribuiu para o seu aperfeiçoamento. Em finais da década de 1920, efectuaram-se os primeiros testes de transmissão televisiva. IMAG.40-52-62-86-116-128-136-177-424-591

PARLATÓRiO

O avanço irresistível das ciências naturais, desde os tempos de Galileu, fez a sua primeira paragem perante o estudo das partes superiores do cérebro, o órgão das relações mais complicadas do animal com o mundo exterior… Agora, estamos, realmente, num momento crítico para as ciências naturais, para o cérebro, na sua mais alta complexidade - o cérebro humano - que criou e continua a criar as ciências naturais, tendo-se convertido em objecto destas mesmas ciências.
Ivan Pavlov

COMENTÁRiO

Heidegger
Só o homem pensa e conhece a Morte. Ou porque seja, com Scheler, o único animal que objectiva, dizendo eu e o Mundo; ou porque, com Heidegger, viva um tempo primordial onde o passado se acusa no presente e onde o futuro se abre à projecção da sua angústia.
Heidegger encontra, com efeito, na existência humana perdida no mundo e na existência humana reencontrando-se, os caracteres fenomenológicos da existência. A fenomenologia da existência é, para ele, a ontologia da realidade. Existência, que se encontra na existência humana, pois que nenhuma existência há que não esteja nesta envolvida – ele o conclui por um renovo do argumento ontológico de Santo Anselmo. O primeiro carácter dá a inquietação, o mal-estar e o medo, que o homem banal adormece na uniformidade do mal de todo o Mundo. O segundo carácter dá a angústia perante o desamparo da sua existência finita e humilhada. Esta angústia é, sobretudo, a angústia perante a Morte, temporalização primordial, em que o passado e o presente se englobam num verdadeiro futuro.
Leonardo Coimbra
- O Homem às Mãos Com o Destino (1936)

Crítica de Cinema
Entre as críticas das várias Artes é a crítica de cinema aquela que, em geral, vejo fazer mais ligeiramente, e ela afigura-se-me tanto ou mais complexa que as outras. Não é isto apenas pelas específicas qualidades intelectuais do crítico, mas também pelas dificuldades práticas do próprio acto de crítica.
Não basta ser sincero e impessoal, e ter uma cultura genérica. É necessário um amplo conhecimento material da coisa cinematográfica, complexa, multímoda e volúvel. Além da cultura artística, ela obriga a uma prolixa variedade de conhecimentos técnicos, verdadeiros segredos da alquimia dos estúdios e laboratórios, abrangendo especializações tão restritas que raros podem, em consciência, afirmar dominá-las a todas. Só de termos técnicos há um verdadeiro dialecto.
Para as Artes Plásticas, Literatura e Dramaturgia os cânones, salvo interpretações subjectivas, estão de há muito fixados e estudados em pormenor. O mesmo não sucede com o cinema. É fácil a qualquer anotar as qualidades de espectáculo e construção dramática de uma película, impressões globais para que basta cerrar os olhos e rever in mente o filme. Mas se o crítico quiser pronunciar-se em pormenor sobre o valor técnico e plástico, logo se agigantam dificuldades.
Ao espectador só lhe interessa a sensação recebida. Mas tudo isto é necessário notar e tudo isto é simultâneo, tudo isto se atropela a cada instante perante os olhos daquele que não pode perder de vista os valores intelectuais, artísticos, técnicos e emocionais da história que as imagens lhe contam.
Roberto Nobre
- Anuário Cinematográfico Português (1946)

Alicia de Larrocha
Nos últimos anos de vida, ninguém lhe tirava o sorriso do rosto. Como se fossem colares de pérolas, acumulava prémios, doutoramentos honoris causa e distinções e condecorações várias. De tal forma representava o temperamento espanhol que o seu nome mais parecia uma marca gerida pela Inditex.
João Santos (2014)

MEMÓRiA

1867-24SET1939 - Karl Lämmle, aliás Carl Laemmle, aliás Carl Lemmle: Produtor do cinema americano, nascido na Alemanha, fundador dos estúdios Universal (The Universal Film Manufacturing Company - 1912). IMAG.595

1923-25SET2009 - Alicia de Larrocha i de la Calle, aliás Alicia de Larrocha: Pianista espanhola, nascida na Catalunha - «Nunca te preocupes. Sobretudo, ocupa-te!». IMAG.396-566

26SET1849-1936 - Ivan Petrovich Pavlov, aliás Ivan Pavlov: Fisiologista russo, distinguido com o Prémio Nobel da Medicina (1904) - «O homem é, ainda, um desconhecido. Só a ciência logrará lançar luz sobre essas trevas». IMAG.552

26SET1889-1976 - Martin Heidegger: Filósofo alemão - «O homem age como se fosse o senhor e o mestre da linguagem - quando, na verdade, a linguagem permanece a mestra do homem… Só há mundo, onde houver linguagem». IMAG.392-564

1903-27SET1969 - José Roberto Dias Nobre, aliás Roberto Nobre: Escritor, cineasta e ilustrador português, historiador de cinema - «O cinema português, abstruzo e timorato, não tem sido mais avesso a Eça de Queiroz que a qualquer outro dos nossos escritores consagrados, com excepção para o meigo e sorridente, embora talentoso, Júlio Dinis.» (Crítica e Autocrítica Em Eça de Queiroz - 1945). IMAG.13-58-244-269-335-347-412

BREVIÁRiO

Dom Quixote edita Praça de Itália de Antonio Tabucchi (1943-2012); tradução de Idalette Caçoilo. IMAG.269-273-404-421-535-621-672

Universal edita em CD, sob chancela Deutsche Gremmophon, Ludwig van Beethoven [1770-1827]: Sonatas; 32 Variações Em Dó Menor pelo pianista Evgeny Kissin.
IMAG.134-163-202-204-210-228-229-236-237-239-255-268-285-298-303-323-360-375-384-409-430-431-432-436-442-445-452-458-481-502-529-581-604-605-635-647-666-667-681-707

Sextante edita O Arquipélago Gulag de Aleksandr Soljenitsin/Alexander Soljenitsine (1918-2008); tradução de António Pescada. IMAG.147-209-474-535-638-686
 

terça-feira, julho 03, 2018

IMAGINÁRiO #723

José de Matos-Cruz | 16 Maio 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

ADVERSIDADES
Há uma menina que cresceu nas ruas labirínticas da cidade de Tóquio. Já adolescente, envolveu-se com gente errada, e a sua vida passou a correr perigo. A Yakuza, ou mafia japonesa, assassinou o seu melhor amigo. A polícia meteu-a na prisão. Algumas pessoas disseram-lhe que ela acabaria por descobrir a sua oportunidade. Até que houve alguém a proporcionar-lhe um meio de reabilitação - infiltrando-se nas quadrilhas, como informadora. De facto, poucas pessoas conhecem, como ela, uma tal subcultura marginal. Por isso, quando a jovem se revela eficaz, e mesmo imprescindível, a agência federal em causa oferece-lhe outras missões de espionagem…
Prolongando o vínculo heróico/aventuresco que se tem forjado, entre os imaginários nipónico e americano, eis Kabuki Agents: Scarab (1999), sob chancela Image Comics. O lendário argumentista/artista de DareDevil, aliás Demolidor, David Mack concebeu esta saga perturbante, trágica, estilizada pelo sensual grafismo realista de Rick Mays, a preto-e-branco. Violência e paixão, crime e adversidade, simbolizam um imaginário individual e colectivo.

CALENDÁRiO

17FEV-10JUN2018 - Em Guimarães, Centro Internacional das Artes José de Guimarães apresenta When Science Fiction Was Dead - exposição múltipla de Christian Andersson (Suécia).

17FEV-10JUN2018 - Em Guimarães, Centro Internacional das Artes José de Guimarães apresenta Duplo Negativo - instalação de Miguel Leal.

10MAR-10JUN2018 - Em Guimarães, Centro Internacional das Artes José de Guimarães apresenta Mundus, Mundi - instalação de Jorge Feijão. IMAG.538-686

07ABR-19MAI2018 - Em Lisboa, Fundação Carmona e Costa expõe Timeline de Julião Sarmento, sendo curador Delfim Sardo.  
IMAG.33-341-427-437-524-554-625-631-646-712

12ABR2018 - NOS Audiovisuais estreia Soldado Milhões (2018) de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa; com João Arrais e Miguel Borges.  
IMAG.148-205-242-608-670

12ABR-09JUN2018 - Em Lisboa, Perve Galeria apresenta Exposição Antológica de Teresa Balté - sobre desenho / pintura, sendo curador Carlos Cabral Nunes.

13ABR-19AGO2018 - Em Matosinhos, Casa da Arquitectura expõe Os Universalistas: 50 Anos de Arquitectura Portuguesa, sendo comissário Nuno Grande.

14ABR-13MAI2018 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta, no ciclo OitoXOito, Nuvens - instalação de Diana Coelho.

14ABR-26AGO2018 - Na Amadora, Casa Roque Gameiro expõe Gente da Amadora, História e Memória Ilustradas de Nuno Saraiva.  
IMAG.4-311-424-538-624-707

24MAI-09SET2018 - Em Lisboa, Fundação Arpad Szènes-Vieira da Silva apresenta, no Museu, a exposição de fotografia/vídeo O Outro Casal - Helena Almeida e Artur Rosa. IMAG.461-475-486-554-582

24MAI-09SET2018 - Em Lisboa, Fundação Arpad Szènes-Vieira da Silva expõe, na Casa-Atelier, Antologia de Artistas de Pedro Proença.  
IMAG.393-561-591-631

PARLATÓRiO

Somos feitos de tal modo, que só o contraste nos causa um prazer intenso – mas, muito pouco prazer, aquilo que perdura. É assim que a nossa própria constituição diminui o leque de possibilidades de atingir a felicidade.
Sigmund Freud

PARLATÓRiO

Dizer que o magnetismo só produz bem-estar é um aforismo imprudente; com as melhores intenções, podem produzir-se consequências funestas.
Abade Faria
MEMÓRiA

1936-16SET2009 - Mary Allin Travers: Cantora folk norte-americana, membro do grupo Peter, Paul & Mary - «Uma das razões de termos sobrevivido juntos, é que entre nós existia um certo amor» (1966).
IMAG.269-586

1862-18SET1939 - Charles Michael Schwab, aliás Charles M. Schwab: Magnata americano do aço - «O mal fiz uma vez, e nisso sempre falaram; o bem fiz duas vezes, mas disso nunca falaram… Um homem pode ter sucesso em quase tudo que lhe desperte ilimitado entusiasmo… A personalidade está para o ser humano, tal como o perfume está para a flor». IMAG.359

1746-20SET1819 - José Custódio de Faria, aliás Abade Faria: Teólogo luso-goês, cientista, revolucionário, professor de Filosofia - «Proclamou uma verdade quando ainda ninguém ousava encarar o problema do sonambulismo terra-a-terra, sem intervenções de fluidos ou de forças sobrenaturais» (Egas Moniz). IMAG.564

1856-23SET1939 - Sigismund Schlomo Freud, aliás Sigmund Freud: Neurologista austríaco, fundador da psicanálise - «A religião é, porventura, a neurose obsessiva universal da humanidade - tal como a neurose obsessiva das crianças, que decorre do Complexo de Édipo, quanto à relação com o pai». IMAG.31-81-117-199-243-343-370-561-667-716

GALERiA

Em Gente da Amadora, História e Memória Ilustradas, são apresentadas mais de 40 personagens que Nuno Saraiva desenhou, e a forma como o fez.
A escolha das figuras obedeceu a vários critérios. Cronológicos, das primeiras ocupações conhecidas do território até à actualidade, e económicos e sociais, da classe trabalhadora à aristocracia, recuperando alguns elementos mais populares.
Existem pessoas que ali nasceram ou viveram ou outras que, por motivos circunstanciais, se cruzaram um dia com a Amadora, elementos singulares que representam todo um grupo, e até uma personagem fictícia foi desenhada para o efeito.

VISTORiA

O Material Infantil Como Fonte dos Sonhos
Eu devia ter dez ou onze anos, quando o meu pai começou a levar-me consigo nas suas caminhadas e a revelar-me, nas suas conversas, os seus pontos de vista sobre as coisas do mundo em que vivemos. Foi assim que, numa dessas ocasiões, ele me contou uma história para me mostrar como as coisas estavam melhores, naquela época, do que nos seus dias. «Quando eu era jovem», disse ele, «fui dar um passeio, num sábado, pelas ruas da cidade onde tu nasceste; estava bem vestido e usava um novo gorro de pele. Um cristão dirigiu-se a mim e, de um só golpe, atirou o meu gorro para a lama e gritou: “Judeu! sai da calçada!”…» «E o que fez o senhor?», perguntei-lhe. «Desci da calçada e apanhei o meu gorro», foi sua resposta mansa. Isso pareceu-me uma conduta pouco heróica, por parte do homem grande e forte que segurava um garotinho pela mão. Contrastei essa situação com outra, que se ajustava melhor aos meus sentimentos: a cena em que o pai de Aníbal, Amílcar Barca, fez o seu filho jurar, perante o altar da casa, que se vingaria dos romanos. Desde essa altura, Aníbal esteve presente nas minhas fantasias.
Sigmund Freud
- A Interpretação dos Sonhos (excerto)

BREVIÁRiO

Tinta da China edita Poesia Completa de Mário de Sá-Carneiro (1890-1916); organização de Ricardo Vasconcelos.  
IMAG.65-71-236-275-307-560-561-617

Universal edita em CD, sob chancela Deutsche Grammophon, Modest Petrovich Mussorgsky [1839-1881]: Pictures At An Exhibition por Wiener Philharmoniker, sob a direcção de Gustavo Dudamel. IMAG.540-698

Dom Quixote edita Os Naufrágios de Camões de Mário Cláudio.  
IMAG.51-220-520-522-541-591-600

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 8

Então, com um punho crispado, Galhardo amarrotou o chapéu, que tinha dependurado numa vassoura estratégica. Depois, fez estalar os suspensórios. Porém, entre ele e Lopes de Barros, desde sempre, havia a cumplicidade suficiente para evitar qualquer acinte nem acirrar rivalidades, e a todos os demais competia uma mera subserviência profissional.
Continua