domingo, julho 22, 2018

IMAGINÁRiO #726

José de Matos-Cruz | 08 Junho 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

(DES)ENCONTROS
Vida Interrompida (1999) parte de uma ocorrência verdadeira, e expressa numa obra literária; em abordagem, está um período determinante na evolução da realidade americana, que remonta aos finais da década de ‘60. Outro elemento decisivo é a reunião de Winona Ryder - assumindo-se produtora executiva e protagonista, em rigor extremo; com Angelina Jolie - que irrompe pela trama dramática como um furacão perturbante e selvático, justamente galardoada com o Óscar para Melhor Actriz Secundária. Ainda em mérito, sobressai a direcção de James Mangold. O testemunho de Susanna Keyson, Girl, Interrupted foi publicado já em 1993, vinte e cinco anos depois das peripécias em causa, tendo fascinado Winona Ryder. O que está em causa é a natureza dos valores comuns - perante o indivíduo e para a sociedade. Esta defende-se - eliminando a rebeldia, controlando a insegurança. Susanna é uma jovem talentosa, mas equívoca e intranquila. Uma tentativa não assumida de suicídio, com overdose de aspirinas, leva-a de livre vontade ao Claymoore Hospital, uma instituição psiquiátrica para raparigas afectadas. O que ali encontra não augura, porém, uma recuperação. Sobretudo, a nefasta influência de Lisa - indomável mas dominada, prostrada mas perigosa. Os seus desafios e provocações são apelos à solidariedade, a uma desesperada cumplicidade - numa vivência violenta, que resvala entre a lucidez e a insanidade… IMAG.84-475

CALENDÁRiO

03MAR-20MAI2018 - Em Gondomar, Lugar do Desenho apresenta Uns Dyas Entre Nós - exposição de desenho (1979-2000) de Júlio Resende (1917-2011). IMAG.132-168-376-393-548-553-604-632

23MAR-30JUN2018 - No Porto, Faculdade de Belas Artes apresenta Anotações Sonoras: Espaço, Pausa, Repetição - instalação de Pedro Tudela e Miguel Carvalhais.

10-30ABR2018 - Em Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida apresenta Ditados e Situações - exposição de pintura de Luís Artur Cardoso Pereira.

03MAI2018 - NOS Audiovisuais estreia Ruth (2018) de António Pinhão Botelho; com Igor Regalla e Miguel Nunes.

03MAI2018 - O Som e a Fúria coproduziu, e estreia Zama (2017) de Lucrecia Martel; com Daniel Giménez Cacho e Lola Dueñas.

03MAI-15JUL2018 - Em Lisboa, Instituto Cultural Romeno apresenta, na Galeria, Delírio Controlado - exposição de desenhos originais, litografias e ilustrações de Tudor Banus.

VISTORiA

Soneto

Vai a fresca manhã alvorecendo,
vão os bosques as aves acordando,
vai-se o Sol mansamente levantando
e o mundo à vista dele renascendo.

Veio a noite os objectos desfazendo
e nas sombras foi todos sepultando;
eu, desperta, o meu fado lamentando
fui co’a ausência da luz esmorecendo.

Neste espaço, em que dorme a Natureza
porque vigio assim tão cruelmente?
Porque me abafa o peso da tristeza?

Ah, que as mágoas que sofre o descontente,
as mais delas são faltas de firmeza.
Torna a alentar-te, ó Sol resplandecente!
Alcipe
(D. Leonor de Almeida Portugal Lorena e Lencastre)

VISTORiA

Por trás do que lembro,
ouvi de uma terra desertada,
vaziada, não vazia,
mais que seca, calcinada.
De onde tudo fugia,
onde só pedra é que ficava,
pedras e poucos homens
com raízes de pedra, ou de cabra.
Lá o céu perdia as nuvens,
derradeiras de suas aves;
as árvores, a sombra,
que nelas já não pousava.
Tudo o que não fugia,
gaviões, urubus, plantas bravas,
a terra devastada
ainda mais fundo devastava.
João Cabral de Melo Neto
- Morte e Vida Severina (excerto)

GALERiA

No centenário do nascimento de Júlio Resende (1917-2011), o Lugar do Desenho – em Gondomar, onde faleceu – celebra uma faceta peculiar do artista, através de uma exposição que apresenta desenhos de circunstância, de natureza humorística, datados de 1979 a 2000.
Realizados, na sua maioria, a esferográfica, estes desenhos de pequena dimensão evocam o registo directo de instantes que o artista viveu, descontraidamente, como um viajante em férias que apura a sua observação e aguça a sua predisposição para olhar os episódios em volta com um sentido de humor contagiante.
Consciente da dimensão particular que ocupam na sua obra, o autor assinou muitos destes desenhos como Dyas, apelido que também consta do seu nome, aqui alterado pela letra «y». Para lá de instituir uma espécie de heterónimo, esta assinatura tem a vantagem de remeter para um quotidiano em que todos os dias são dignos de registo.
Umas vezes subtil e complacente, outras vezes crítico, sempre arguto, Resende dá-nos um retrato perspicaz da espécie humana nas situações ora caricatas, ora ridículas e anedóticas em que todos nos descobrimos num ou noutro momento da nossa existência. Apanhar esse momento, arquivá-lo mediante o desenho e deixar umas quantas anotações e comentários manuscritos para orientar a nossa observação foi o que fez Júlio Resende.
Esta terá sido uma forma de dar continuidade ao espírito juvenil que o fez partir para o desenho humorístico na imprensa e para as tiras de banda desenhada a que se dedicou nos tempos iniciais da sua vocação artística.

MEMÓRiA

08OUT1929-2013 - Manuel García Ferré: Artista gráfico, autor de cinema de animação e de banda desenhada, nascido em Espanha e radicado na Argentina, criador de Hijitus e do pinguim Petete - «As crianças têm as mesmas motivações de sempre: a ambição, o desejo, a vontade de possuir, de coleccionar… A aventura, a imaginação, as personagens boas e más, a superação, são estímulos que perduram e se mantêm actuais» (2012). IMAG.458

1920-09OUT1999 - João Cabral de Melo Neto: Poeta, ficcionista e diplomata brasileiro - «O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome.» (Os Três Mal-Amados - excerto). IMAG.583

10OUT1599- 1676 - Étienne Moulinié: Compositor francês - «Dá-se com o seu nome de forma casual em representações do alvor do barroco francês… Dir-se-ia até possuir a vagueza própria dos períodos de transição…» (João Santos). IMAG.591

1750-11OUT1839 - D. Leonor de Almeida Portugal Lorena e Lencastre: Condessa de Oeynhausen-Gravenburg, Condessa de Assumar e Marquesa de Alorna, poetisa de nome literário Alcipe - «Eu cantarei um dia da tristeza / por uns termos tão ternos e saudosos, / que deixem aos alegres invejosos / de chorarem o mal que lhes não pesa.». IMAG.246-296

BREVIÁRiO

Livros do Brasil edita Sinais de Fogo de Jorge de Sena (1919-1978).
IMAG.60-67-87-112-181-202-249-264-268-305-313-329-332-358-392-486-489-495-502-588-599-661-669-671-682-699-707

Sextante edita Vozes Dentro de Mim de Carmen Dolores.  
IMAG.158-162-287-458

Guerra & Paz edita Lisboa Em Camisa de Gervásio Lobato (1850-1895).  
IMAG.133-276

Universal edita em CD, sob chancela Decca, Ludwig van Beethoven [1770-1827]: Symphony 1; Piano Concerto 1 por Martha Argerich, com Mito Chamber Orchestra, sob a direcção de Seiji Ozawa.
IMAG.134-163-202-204-210-228-229-236-237-239-255-268-285-298-303-323-360-375-384-409-430-431-432-436-442-445-452-458-481-502-529-581-604-605-635-647-666-667-681-707-724

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 9

Bem no fundo, Lopes de Barros já não tinha ilusões – sobre Ulisses Galhardo. Era um homem sem filiação, possidónio, podendo embora arrebatar-se em dignidade e coragem – às luzes da ribalta.
- Sidónio… Sim, foi isso… – decifrou enfim Lopes de Barros, entre dentes, mas sem abrir a boca. Ele, que sabia ler o movimento dos lábios, ficara a matutar no que Galhardo teria dito a Kramensky. Não obstante, continuava a não perceber o alcance do que se passava à sua volta.
Continua

Sem comentários:

Enviar um comentário