quinta-feira, junho 28, 2018

IMAGINÁRiO #722

José de Matos-Cruz | 08 Maio 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

RELÍQUIAS
Em produção da DreamWorks, de Steven Spielberg, Não Acordem o Rato Adormecido (1997) lançou mais um realizador em grande ecrã, Gore Verbinski. Em termos simbólicos e narrativos, o argumento do também nóvel Adam Rifkin torna clara uma herança/sucessão: os pretextos de comédia demolidora, com uma ironia estética e sobrenatural. Dois irmãos broncos, Ernie e Lars Smuntz recebem como herança do pai austero uma decrépita cordoaria e uma velha mansão em ruínas. Recusando desfazer-se da fábrica, deixá-la-ão à beira da falência. A casa é uma relíquia, concebida por um arquitecto lendário; vale uma fortuna, mas vive lá um rato que arrasa quaisquer tentativas para vendê-la. Afinal, é um simples mas diabólico roedor anónimo, que lhes faz a vida negra, para defender o seu território… Tudo resulta das habilidades ensinadas por Boone Narr aos vários ratinhos que figuram na acção, substituídos nas cenas mais arriscadas - graças aos efeitos especiais de Michel Lantieri - pelas criaturas mecânicas animadas do prodigioso Stan Winston. De resto, vale o talento de Nathan Lane e Lee Evans - uma parelha cómica como Bucha & Estica - que caracterizam personagens caprichosas, sob catástrofe irresistível.  
IMAG.3-138-197-473

CALENDÁRiO

08MAR-12MAI2018/24MAR-09SET2018 - Em Almada, Galeria Municipal de Arte/Casa da Cerca apresentam O Prodígio da Experiência - exposição multidisciplinar de Ana Hatherly (1929-2015).  
IMAG.63-208-233-435-461-580-641-689-703-706

17MAR-14ABR2018 - No Porto, Palacete dos Viscondes de Balsemão apresenta 27 “Collages” - exposição sobre banda desenhada concebida por Jorge Santos, reunindo autores e heróis de todo o mundo que permitiram estabelecer um fio condutor para o reconhecimento da Nona Arte. IMAG.714

21MAR-28MAI2018 - Em Lisboa, Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia / MAAT apresenta A - Z - instalação de Miguel Palma, sendo curadoras Adelaide Ginga e Luísa Santos. IMAG.427

21MAR-27AGO2018 - Em Lisboa, Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia / MAAT apresenta Um Imaginário Termodinâmico - exposição de escultura de Tomás Saraceno (Argentina), sendo curadores Pedro Gadanho e Rita Marques.

24MAR-05MAI2018 - Em Lisboa, Galeria Filomena Soares apresenta Dan’s World - exposição de estrutura / escultura de Dan Graham (EUA). IMAG.173

1932-27MAR2018 - Colette Suzanne Jeannine Dacheville, aliás Stéphane Audran: Actriz francesa, favorita / esposa de Claude Chabrol (Núpcias Vermelhas / Les Noces Rouges - 1973) - «…Notável a representar mulheres livres e independentes, como ela era na sua vida» (Jean-Pierre Mocky). 
 
05ABR2018 - NOS Audiovisuais estreia Encontro Silencioso (2017) de Miguel Clara Vasconcelos; com Ágata Pinho e Alexander David.

1935-05ABR2018 - Isao Takahata: Cineasta japonês de animação, argumentista e produtor, cofundador do Studio Ghibli, autor das séries Heidi (1974) e Marco (1976), realizador de O Túmulo dos Pirilampos (1988) - «Ensinou-nos valiosas lições sobre o melhor e o pior da condição humana» (Filipe Homem Fonseca).

07ABR-19MAI2018 - Em Matosinhos, Galeria Manifesto apresenta Homem Peixe Mar - exposição de fotografia de Pepe Brix (Açores).

13ABR-17JUN2018 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta Poetry Never Gives Up - mostra de pintura, instalação e escultura de Lita Cabellut (Espanha).

PARLATÓRiO

A voz humana é o mais belo de todos os instrumentos - mas é, também, o mais difícil de tocar.
Richard Strauss

VISTORiA

Noite

Eu vivo
nos bairros escuros do mundo
sem luz nem vida.

Vou pelas ruas
às apalpadelas
encostado aos meus informes sonhos
tropeçando na escravidão
ao meu desejo de ser.

São bairros de escravos
mundos de miséria
bairros escuros.

Onde as vontades se diluíram
e os homens se confundiram
com as coisas.

Ando aos trambolhões
pelas ruas sem luz
desconhecidas
pejadas de mística e terror
de braço dado com fantasmas.

Também a noite é escura.
Agostinho Neto
- Sagrada Esperança

MEMÓRiA

08SET1919-2014 - Maria Lassnig: Artista plástica austríaca, distinguida com o Leão de Ouro da Bienal de Veneza (2013) - «Depois de setenta anos com a arte, com muitas privações e necessidades, depois de muitas exposições e sucessos, que chegaram tarde, devo agora receber este grande prémio, o que para mim já não é possível, pessoalmente, em presença». IMAG.511-714

1864-08SET1949 - Richard Georg Strauss, aliás Richard Strauss: Músico e maestro alemão - «Posso não ser um compositor de primeira categoria - mas, sem dúvida, devo estar entre os principais compositores de uma segunda classe». IMAG. 68-106-241-470-473-579-670

10SET1659-1695 - Henry Purcell: Cantor e compositor inglês, organista da Capela Real (1682), autor das óperas Dido e Eneias (1689), Rei Arthur (1691) e A Rainha das Fadas (1692) - «Welcome to all those wishes fulfilled / That thrones of monarchs firmly build, / Welcome to all the blessings of a long reign; / Thus united duty pray and never pray in vain.» (Fly, Bold Rebellion - excerto).  
IMAG.243-426-539-677-695

1922-10SET1979 - António Agostinho Neto, aliás Agostinho Neto: Poeta, primeiro Presidente da República Popular de Angola - «Palpitam-me / os sons do batuque / e os ritmos melancólicos do blue // Ó negro esfarrapado do Harlem / ó dançarino de Chicago / ó negro servidor do South» (Voz do Sangue). IMAG.242-387

13SET1889-1960 - Pierre Reverdy: Poeta francês ligado ao surrealismo e ao cubismo - «A ética é a estética intima… A carícia é o produto de um longo polimento da bestialidade».

13SET1939-2014 - Richard Dawson Kiel, aliás Richard Kiel: Actor americano, intérprete de Jaws em 007 - Agente Irresistível (1977) e 007 - Aventura No Espaço (1979) - «Foi um dos grandes momentos, para mim, a reacção do público no cinema, quando Jaws sobrevive… Ouviam-se urros e aplausos, eu nem conseguia acreditar!». IMAG.532

1952-14SET2009 - Patrick Wayne Swayze, aliás Patrick Swayze: Actor americano - «Divertimo-nos imenso a fazer aquele filme pequenino e insignificante [Dirty Dancing / Dança Comigo - 1987]… Ele era uma combinação rara e bela de masculinidade pura com graciosidade» (Jennifer Grey).  
IMAG.268-383

TRAJECTÓRiA

Compositor inglês do início da época barroca, nasceu em 1659, em Londres, e morreu em 1695, na mesma cidade. Ficou conhecido por ter composto mais de 100 canções, a pequena ópera Dido e Eneias e The Fairy Queen, uma adaptação de Midsummer Night's Dream de Shakespeare.
Purcell iniciou os seus estudos musicais na capela real e, em 1677, foi nomeado compositor do rei. Dois anos depois, passou a ser organista da abadia de Westminster. Em 1683 publicou a sua primeira obra, constituída por 12 sonatas. A partir dessa data, escreveu várias composições para a Corte. Em 1689, dedicou às alunas de um colégio de Chelsea a ópera Dido e Eneias, a sua obra-prima. Desde essa altura, e até à sua morte, Purcell empenhou-se em compor música sacra e teatral. Uma doença fatal impediu-o de terminar a ópera The Indian Queen, que foi completada, depois da sua morte, pelo irmão, Daniel Purcell. Alguns dos seus trabalhos foram publicados enquanto viveu, como Sonatas of III Parts (1683), Welcome to All the Pleasures, uma ode às festas de Santa Cecília, escrita em 1683 e publicada em 1684, e Dioclesian (1691). Depois da sua morte, a viúva publicou uma coleção de peças para cravo, música instrumental para teatro e Te Deum and Jubilate.
Dotado de um sentido melódico muito expressivo, Purcell compôs toda a sua obra encaminhando-se para a modernidade. As suas composições dirigiam-se, sobretudo, à Igreja, ao Estado, à Corte e ao entretimento. Em todas as composições mostrou uma certa admiração pelo passado, combinada com a vontade de aprender com o presente.

BREVIÁRiO

Pato Lógico edita Sonho de Susa Monteiro. IMAG.149-382-406-416-430-577

EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 7

Obcecado por tipos anedóticos, escolhidos a dedo como secundários, Lopes de Barros chamava ao estrangeiro judeu o Incaracterístico, fazendo-o exibir com o extraordinário contraste da sua cabeleira farta e alva.
Ulisses Galhardo era um outro bicho. Ao vulto austero, correspondiam as tremendas crises de neurastenia. Ao jeito astuto, contrapunha-se uma trágica incerteza existencial. Mas o seu talento formidável compensava a frivolidade dum relacionamento petulante. E a magia exacerbada em cada desempenho expiaria a devoção à intriga e ao escárnio pedante.
Continua

Sem comentários:

Enviar um comentário