sexta-feira, maio 18, 2018

IMAGINÁRiO #716

José de Matos-Cruz | 24 Maio 2019 | Edição Kafre | Ano XVI – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

REBELIÕES
Ao celebrar 25 anos de carreira e 50 de idade, Steven Spielberg revitalizou o espectáculo total e empolgante, em Amistad (1997), sobre um motim de escravos em navio negreiro espanhol, por 1839. Ocorreu ao largo de Cuba, envolvendo meia centena de africanos da Serra Leoa, transportados em condições desumanas - acorrentados, sob tortura ou, mesmo, lançados ao mar por excesso de peso. O projecto de Amistad adquiriu notoriedade em Novembro de 1996, assinalando o vínculo entre Spielberg e Dreamwork Pictures, o estúdio por ele criado com Jeffrey Katzenberg e David Geffen. Partindo de um evento real, sobre argumento escrito por David Franzoni e Steven Zaillian, a rodagem decorreu em Los Angeles, e nas paisagens da Nova Inglaterra e das Caraíbas. Spielberg recorreu a um elenco misto de vedetas - como Morgan Freeman, Nigel Hawtorne, Matthew McConaughey ou Anthony Hopkins - nível a que ascendeu, também, Djimon Hounsou como líder da rebelião. Estreado após uma tentativa de interdição judicial pela escritora Barbara Chase-Ribaud, sob acusação de plágio do seu romance Echo of Lions, logo Amistad provocou polémica entre historiadores, comentando-se que o tráfico de escravos não era um exclusivo dos reinos ibéricos, antes envolveria, também, a coroa britânica e, mesmo, interesses norte-americanos…
IMAG.18-23-44-63-71-72-80-88-93-136-147-155-159-171-183-199-225-273-304-383-388-391-412-443-445-465-484-488-506-535-576-583-585-604-608-619-623-681-683-687-705

CALENDÁRiO

22FEV2018 - Midas Filmes estreia Todas as Cartas de Rimbaud (2017) de Edmundo Cordeiro; com Maria Filomena Molder. IMAG.472-582

22FEV-19MAI2018 - Em Lisboa, Galeria Millennium apresenta a exposição de fotografia Poesia Mineral - Eduardo Souto de Moura por Nuno Cera. IMAG.249-349-529-611-627-664-669-670

23FEV-30ABR2018 - Em Lisboa, Torreão Nascente da Cordoaria Nacional apresenta Todos os Títulos Estão Errados - exposição de pintura e fotografia de Paulo Quintas, sendo curadora Isabel Carlos.

24FEV-26MAI2018 - Bedeteca da Amadora expõe, com Kingpin Books, O Elixir da Eterna Juventude - Mútuo Consentimento de Fernando Dórdio e Osvaldo Medina, com Sérgio Godinho como personagem principal. IMAG.125-508-593

28FEV-03JUN2018 - Em Lisboa, Museu Colecção Berardo expõe No Place Like Home, sendo comissária Adina Kamien-Kazhdan.

01MAR2018 - Alambique estreia Ramiro (2017) de Manuel Mozos; com António Mortágua e Madalena Almeida. IMAG.266-297-588

02MAR-29ABR2018 - Em Odivelas, Centro Cultural Malaposta apresenta Insectum Abstractus e Outras Obras - exposição de ilustração, pintura e fotografia de Sacruna.

03-31MAR2018 - Em Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo apresenta Ambiente - Sobressalto Permanente - exposição de pintura de José Maria Pinto Barbosa. 
 
VISTORiA

E tudo isto – a morte, o nosso medo, o nosso horror, a nossa impotência – só para aquela mão jovem, demasiado jovem, poder apanhar a miúda… Eu já mergulhava no acontecimento como se não fosse crime, mas aventura maravilhosa dos seus corpos inexperientes e surdos. Volúpia!
Witold Gombrowicz
- A Pornografia (1960 – excerto)

VISTORiA

Hesito em empregar a palavra liberdade, porque é precisamente, em nome da liberdade, que os crimes contra a humanidade são perpetrados. Essa situação não é, certamente, nova na História: pobreza e exploração foram produtos da liberdade económica; repetidamente, povos foram libertados em todo o mundo por seus amos e senhores, e a nova liberdade dessas gentes redundou em submissão não ao império da lei, mas ao império da lei dos outros. O que principiou como submissão pela força, cedo se converteu em servidão voluntária, colaboração em reproduzir uma sociedade que tornou a servidão cada vez mais compensadora e agradável ao paladar. A reprodução, maior e melhor, dos mesmos sistemas de vida, passou a significar, ainda mais nítida e conscientemente, o fechamento daqueles outros sistemas possíveis de vida que poderiam extinguir servos e senhores, assim como a produtividade de repressão.
Herbert Marcuse
- Eros & Civilização - Uma Interpretação Filosófica do Pensamento de Freud (1955 - excerto)

MEMÓRiA

1802-24JUL1879 - Jean Louis Auguste Commerson, aliás Jean Commerson: Aforista francês - «A virtude é uma linha horizontal, a força é uma linha vertical e a astúcia uma linha oblíqua». IMAG.370

1904-24JUL1969 - Witold Marian Gombrowicz, aliás Witold Gombrowicz: Ficcionista e dramaturgo polaco - «Quer saber qual é o meu plano? Nenhum. Sigo as linhas de força, compreende? As linhas do desejo. Nesta altura estou empenhado em que ele os veja e eles saibam, também, que ele os viu. Haverá que ligá-los a uma culpa. O que a seguir sucederá, mais tarde se vai ver.» (A Pornografia - 1960). IMAG.236-401-477

25JUL1929-2012 - Alexis Weissenberg: Compositor e pianista búlgaro, naturalizado francês - «Intelectualmente honesto, irónico e com uma certa distância em relação ao mundo. Não lhe interessava a fama, nem a intensa carreira de um pianista de concerto. Só tocava quando sentia que tinha algo a dizer ao mundo» (Norman Lebrecht). IMAG.391

1858-29JUL1939 - Ricardo de Almeida Jorge, aliás Ricardo Jorge: Escritor e médico português, investigador e higienista, professor e fundador do Instituto Nacional de Saúde. Nos anos ’20, terá suscitado a proibição da Coca-Cola em Portugal, ao conhecer o slogan publicitário de Fernando Pessoa - «Primeiro estranha-se, depois entranha-se». IMAG.658

1898-29JUL1979 - Herbert Marcuse: Filósofo alemão, naturalizado americano, autor de Psicanálise e Política (1968) - «O tempo não resolve tudo. Mas, acaba por afastar o que não tem solução das nossas preocupações centrais». IMAG.667

1910-30JUL1999 - Joaquim Martins Correia: Artista plástico português, escultor e pintor - «Um artista altamente criativo que, para além das encomendas oficiais, tem a sua escultura íntima, apaixonada por aquilo que mais admirava - o povo português, a memória da sua mãe, que trabalhava na terra, e a exaltação das grandes figuras da História de Portugal» (Lagoa Henriques). IMAG.236-261-585

31JUL1919-1987 - Primo Michele Levi, aliás Primo Levi: Escritor italiano, prisioneiro em Auschwitz, autor de Se Isto É Um Homem (1947) - «É melhor não governar o destino dos outros, pois orientar o nosso é já difícil e incerto». IMAG.126-236-244-412-416-575-606

PARLATÓRiO

As mulheres desconfiam muito dos homens na generalidade, e pouco na especialidade.
Jean Commerson

Tornei-me judeu em Auschwitz. A plena consciência da minha diferença foi-me imposta. Alguém, sem nenhuma razão, decidiu que sou diferente e inferior. Por uma reacção normal, senti-me diferente e superior. Neste sentido, Auschwitz deu-me algo que ficou… Recuperei o meu património cultural, a minha identidade como judeu.
Primo Levi

BREVIÁRiO

Dom Quixote edita Os Que Sucumbem e os Que Se Salvam de Primo Levi (1919-1987); tradução de José Colaço Barreiros.

Universal edita em CD, Nação Valente de Sérgio Godinho. IMAG.125-508-593

A+A Books edita Eduardo Souto de Moura - Projetos Construídos de Marta Sequeira e Michel Toussaint. IMAG.249-349-529-611-627-664-669

Valentim de Carvalho edita em CD, Amália Em Itália - “A Una Terra Che Amo” por Amália Rodrigues (1920-1999).
IMAG.20-33-226-239-245-270-276-279-283-326-341-408-470-536-546-556-589-600-601-618
 
EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS - Folhetim Aperiódico

IRONIA E RECONSTITUIÇÃO DA CAVEIRA HIPOCONDRÍACA - 4

Num só criador, Arthur Lopes de Barros fizera-se humilde e versátil galã capaz de varrer os camarins, enquanto aprendia a compor uma cena, mas aguçando também o engenho como pintor, dramaturgo ou encenador de grandes reconstituições históricas. Popular pelos caprichos da comédia, insinuante pelos conflitos dramáticos, imortal pela saga épica contudo, seria exclusivamente o Cineasta, graças ao testemunho apologético em que, agora, investia o regime sagrado por Antero d’Oliveira Saraiva.
Continua
 

Sem comentários:

Enviar um comentário